Condomínios aderem a campanha de enfrentamento a violência doméstica

Sabe aquele velho ditado que diz: “Em briga de marido e mulher não se mete a colher”? Então, está mais ultrapassado do que nunca. O grande número de casos de violência doméstica registrados no Brasil motiva ações de combate a esse problema em diversas frentes e isso chegou também aos condomínios.

Em novembro do ano passado o governador Reinaldo Azambuja sancionou a Lei Nº 5.591, que torna obrigatório aos condomínios residenciais comunicarem aos órgãos de segurança pública a ocorrência ou indícios de ocorrência de violência doméstica e familiar contra mulheres, crianças, adolescentes, pessoas com deficiência ou idosos.

Luciana Azambuja destaca a importância dos condomínios no combate à violência doméstica (Foto: Edemir Rodrigues)

De acordo com a subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja, o objetivo é coibir a violência doméstica nos espaços privados. “Precisamos fortalecer a ideia nos condomínios do senso de comunidade e conscientizar que este é um problema que deve ser combatido por todos. Neste sentido, o síndico tem um papel ainda mais fundamental, que passa a ser porta-voz e aliado na luta contra a violência doméstica no condomínio”, explica.

Mato Grosso do Sul foi um dos primeiros Estados Brasileiros a aderir à campanha “Alô vizinho!”, lançada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), por meio da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM).

“Aderimos a campanha porque acreditamos que o enfrentamento da violência doméstica é um dever de todos, ainda mais nesse momento de isolamento em que as mulheres vítimas de violência doméstica estão convivendo em maior período com o agressor. A denúncia de um vizinho ao escutar ou presenciar uma agressão pode salvar a vida dessa vítima”, conclui.

O material informativo da campanha indica os canais para o registro de denúncias. Destaca número do Ligue 180, o aplicativo Direitos Humanos Brasil e o endereço do portal da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos (ONDH). Além disso, apresenta orientações de segurança para as mulheres e informações com exemplos de atos de violência previstos na lei Maria da Penha. Para acessar clique aqui.

André Pettengill: moradores do condomínio estão envolvidos na ação de conscientização

A síndica do Condomínio Passarela Park Prime, Andrea Raslan Pettengill, reforça que a empatia foi a primeira motivação para que o condomínio aderisse à campanha. “A empatia pelo fato de eu ser mulher e a percepção de que não poderia me manter alheia em algumas situações. Os moradores já estão envolvidos nessa ação, meu recado como síndica e como mulher é que devemos cuidar umas das outras e que jamais devemos aceitar ser maltratadas”.

Segundo dados da Polícia Civil, de janeiro a junho deste ano foram registrados 7.854 boletins de ocorrência de casos de violência doméstica no Estado.

A Diretoria de Enfrentamento à Violência da SPPM, entrou em contato com administradoras de condomínios que estão mobilizando seus clientes para a adesão da campanha. Caso queira participar dessa corrente de enfrentamento à violência contra as mulheres, envie um e-mail para mulheres@secic.ms.gov.br

Como Denunciar:

Em casos em que a violência esteja ocorrendo no momento, sendo possível ouvir gritos e pedidos de socorro: Ligue 190

Em casos que a situação tenha chegado ao conhecimento do síndico ou administrador do condomínio, a denúncia pode ser feita pelo Ligue 180, pelo site da Polícia Civil – Delegacia Virtual ou ainda pelo Aplicativo MS Digital, sem necessidade de comparecimento pessoal.

Para mais informações sobre denúncias: https://www.naosecale.ms.gov.br/denuncias/

Jaqueline Hahn Tente – Secretaria de Estado de Cidadania e Cultura (Secic)

Fotos: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram
WhatsApp