No Dia da Gratidão médico e pacientes falam sobre o sentimento em tempo de pandemia

O ano já se inicia com uma celebração necessária: o Dia da Gratidão. Comemorada hoje dia (06), a data tornou-se mais um motivo para as pessoas falarem sobre o sentimento, fato que se intensificou neste período de pandemia pela Covid-19 e há um bom tempo define os dias de muitos.  

Nesta jornada de enfrentamento ao vírus muitos pacientes foram tratados e saíram vitoriosos nesta batalha. Muitos deles, assim como os familiares, fazem questão de reconhecer o tratamento que receberam e, principalmente, agradecer aos responsáveis por cuidarem de cada um. 

Médico intensivista no Hospital Unimed Campo Grande, Dr. Antônio Rodrigues, que está na linha de frente no combate à Covid-19, é um dos profissionais que recebe mensagens de agradecimentos. 

“Tive inúmeros pacientes de quem eu cuidei durante a pandemia, todos eles significam muito para mim. Cada agradecimento que recebo deles e dos familiares me faz um bem enorme. Sou grato a todos e por cada manifestação que recebo”, conta o médico.

A gratidão também é celebrada por Marcelo Gonçalves, beneficiário da cooperativa médica. Ele conta que o sentimento não só faz parte de sua vida, mas hoje tem um peso muito maior comparado ao passado.

“Após a minha experiência de ter adquirido a Covid-19, na qual fiquei 60 dias internado e superei a doença, vejo que essa palavra significa muito mais para mim. A partir de agora a palavra gratidão passa a ter mais sentido e peso na minha vida, na minha conduta como ser humano”, relata.

Para o novo ano que chegou e diante de tantos acontecimentos, Marcelo ainda ressalta que tem um desejo especial. “Para 2021 espero que as pessoas sintam mais isso, a gratidão”, conclui.

O sentimento, que tem até data para celebrar, também tem um papel muito importante na vida de Kleber Luiz dos Santos. Ele, colaborador da Unimed CG, teve Covid-19 e precisou ser internado no hospital. Durante este período os dois filhos usaram a criatividade e todos os dias levavam cadeirade praia para sentarem do lado de fora da unidade hospitalar para observar o pai que aparecia na janela do quarto.

“Eles não mediram esforços durante os nove dias de internação para ir bem cedo, ou até mesmo à noite, em frente ao hospital para me ver acenar da janela para eles. Então, diante disso e de tanta coisa, gratidão para mim é ter vida e, principalmente, ter uma nova chance de vida após essa doença, na qual pude aprender e crescer”, relata.

Kleber finaliza dizendo que para “esse 2021 espero que a cura venha o mais rápido para podermos abraçar, trabalhar com tranquilidade e comemorar com os que mais amamos”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram
WhatsApp